Escapadas Cariocas, 5 dicas imperdíveis de passeios

15.10.2015

Quando falamos de passear pelo Rio de Janeiro certamente iremos falar de Corcovado, Pão de açúcar, Copacabana, Maracanã…Tudo bem para você que vem a primeira vez na cidade realmente não tem como fugir deste itinerário. Esses encantos devem fazer parte de qualquer guia de turismo.

Agora para você que já veio algumas vezes nos visitar ou que dispõe um pouco mais de tempo para descobrir novos cantinhos que certamente irão te encantar, segue 5 dicas que vai fazer valer á pena sair do roteiro mais conhecido.

O mais interessante das 5 dicas á seguir é que todas são muito próximas do centro da cidade ou da área dos hotéis da zona sul.

1ª dica – VISTA CHINESA: No início do séc. XIX a população carioca amargou 4 anos de seca terríveis fruto de uma ocupação desordenada influenciada pela vinda da família real para o Rio de Janeiro (todos queriam ficar próximo da corte). Preocupado com esta situação o Imperador Pedro II mandou replantar com espécies nativas cerca de 100 mil árvores em uma área incrivelmente grande no alto da cidade no maciço da Tijuca, surgindo assim a Floresta da Tijuca. Em 1856 fora empregada na construção de uma estrada do Jardim Botânico ao Alto da Boa Vista, mão de obra chinesa vinda de Macau visando também desenvolver a lavoura de arroz. Essa região apresenta uma grande incidência de presença chinesa, iniciada com a vinda de plantadores do chá na época de Dm João VI. Depois do fracasso dessa lavoura, os chineses teriam se espalhado “pelas fraldas da Tijuca”. Em 1844, um mapa da área registrava uma edificação denominada “Casa dos Chinas. Por volta de 1903 o prefeito Pereira Passos,  com projeto do arquiteto Luís Rei, edificou, em argamassa copiando o bambu, às margens dessa estrada, o pavilhão da Vista Chinesa. Mais acima, na mesma Estrada da Vista Chinesa, um local preparado para servir como ponto de repouso nos frequentes passeios da família imperial ganhou o nome de Mesa do Imperador. De lá você terá uma vista grandiosa de toda a orla do Rio de Janeiro.

Vista Chinesa - RJ

Endereço:   Estr. da Vista Chinesa, 789 – Alto da Boa Vista, Rio de Janeiro

Custo: Grátis  Horário de visita: O dia inteiro. Distância até Copacabana: 17 Km ou 24 minutos.

2ª Dica –  CASCATINHA (Taunay):

Localizada logo na entrada do Parque Nacional Floresta da Tijuca, vindo pelo Alto da Boa Vista a  Cascatinha do Taunay ganhou esse nome graças ao pintor francês Nicolas Antoine Taunay, membro da Missão Francesa, trazida ao Brasil por Dom João VI em 1816, que decidiu ali construir, no ano seguinte, sua residência.

A casa que Taunay levantou, na área do atual estacionamento da Cascatinha, era inicialmente uma tosca cabana de pau-a-pique, que depois evoluiu para uma vivenda mais luxuosa.

Na Cascatinha, onde viveu com a mulher Adrienne Aimée e os filhos , o artista francês iniciou uma plantação de café.   Hoje poderemos aprecia a cascata que leva seu nome. Lugar aprazível e de fácil acesso.   Beleza e exuberância em um ambiente cercado por esta bela queda d’água de 35 metros e pela floresta atlântica. Esta exuberância está intocada e vai te impressionar como os antigos exploradores.

Estrada da Cascatinha RJ

Estrada da Cascatinha, 850 – Alto da Boa vista. Custo: Grátis Horário de visita: das 09:00 ás 17:00  Distância até Copacabana: 20 Km ou 31 minutos.

3ª) Dica: ILHA FISCAL:

A Ilha Fiscal localiza-se no interior da baía de Guanabara, faz parte do centro histórico da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. No início denominado pelos europeus como ilha dos Ratos, o seu atual nome provém do fato de ali ter funcionado o posto da Guarda Fiscal, que atendia o porto da então capital do Império, no século XIX.

A ilha celebrizou-se por ter abrigado o famoso baile da Ilha Fiscal, a última grande festa do Império antes da proclamação da República, em Novembro de 1889.

As decisões da construção, assim como a do seu estilo arquitetônico, foram do Imperador D. Pedro II em abril de 1989, tendo em conta não conflitar com a paisagem da Serra do Mar. À época, o Imperador teria afirmado: “A ilha é um delicado estojo, digno de uma brilhante joia”.

Atualmente abriga um museu histórico-cultural, mantido pela Marinha do Brasil.

Custo: R$ 15,00 por pessoa. Entrada pelo arsenal de Marinha. Lá todos embarcam em uma escuna, contornam o cais e atracam na Ilha. Delicioso passeio de 15 minutos. Ideal é antecipar a compra dos ingressos.

Endereço: Avenida Alfredo Agache, s/n – Centro, Rio de Janeiro

Visitação Terça-Feira a Dom . Horário 08h às 11:30h – Reserva: (21) 2225-6064 .Distância até Copacabana: 12 Km ou 12 min.

4ª dica – CONFEITARIA COLOMBO:

Por mais de um século a Confeitaria Colombo é uma das mais respeitadas casas comerciais do país.
Hoje faz parte de um patrimônio cultural e artístico da cidade. Não se pode contar a história da Confeitaria Colombo sem associá-la a história urbana do Rio de Janeiro.  Fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges de Meireles e Manuel José Lebrão (autor da famosa frase: “O freguês tem sempre razão”), o local era o expoente da Belle Époque, que transformou o Rio de Janeiro do fim do século 19 numa verdadeira “Paris tropical”.   Ela já foi considerada uma espécie de extensão da Academia Brasileira de Letras, tamanha era a quantidade de influentes que frequentavam suas mesas para apreciar uma boa xícara de café ou chá. Local de grande efervescência cultural e política. Não deixe de pedir um café e um pão Petrópolis e imagine que na cadeira em que está sentado poderia ser o assento de pessoas como Castro Alves, Gonçalves Dias, Ruy Barbosa, Olavo Bilac, Getúlio Vargas…etc.

Confeitaria Colombo RJ

Endereço: R. Gonçalves Dias, 32 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20050-030

Telefone: 21 2505-1500 . Horário: De segunda a sábado: 9:00 as 17hs .Distância até Copacabana: 13 Km ou 15 minutos.

5ª) Dica: PAÇO IMPERIAL – PRAÇA XV:

O Paço Imperial é um edifício colonial localizado na atual Praça XV de novembro, no centro histórico da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Construído no século XVIII para residência dos governadores da Capitania do Rio de Janeiro, passou a ser a casa de despachos, sucessivamente, do Vice-Rei do Brasil, do Rei de Portugal Dom João VI e dos imperadores do Brasil.

Atualmente é um centro cultural. Pela sua importância histórica e estética, o Paço Imperial é considerado o mais importante dos edifícios civis coloniais do Brasil. Tudo o que sabemos sobre a história do Brasil, principalmente após a chegada da família real aol em 1808 passa pelos corredores deste prédio. E mais os anos dramáticos que se seguiriam com casamentos, proclamações e abolição da escravatura se deu naqueles metros quadrados da praça XV de novembro. Separe um dia inteiro para passear pelas redondezas deste prédio e “toque” na nossa história.

Chegando a Praça XV, Centro, palco de importantes acontecimentos da história do Brasil, você está em meio a um rico patrimônio histórico e arquitetônico. A começar pelos belos monumentos espalhados pela área, a estátua equestre de D. João VI; o Panteão do General Osório; a estátua do Almirante Negro; o Chafariz da Pirâmide de Mestre Valentim, fonte de abastecimento de água para as embarcações, um legado do mestre, que recuperado trouxe de volta a visualização do antigo cais; e o Arco dos Teles, o último dos muitos arcos que existiam na cidade no período colonial.

Passeando pelo entorno da Praça encontram-se tantas outras importantes edificações que tornam esse roteiro rico em histórias e em detalhes arquitetônicos. Próximo ao Paço, o Palácio Tiradentes, o Museu Naval, a Igreja de São José e o Convento do Carmo. Em seguida, a magnífica e recém reinaugurada Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé e ao lado, a Igreja da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte Carmo, ambas de 1770, e com interiores ricamente decorados.
Um pouco mais adiante, a alguns metros, a Igreja Santa Cruz dos Militares e, escondida na Rua do Ouvidor, a Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores, ambas com interiores de beleza singular.

Bem, você está em um dos melhores polos gastronômicos do Centro, aproveite as excelentes opções..

Paço Imperial

Endereço: Praça Quinze de Novembro, 48 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20010-010

Telefone: 21 2533-4359. Horário: De segunda a sábado: 9:00 /17hsDistância até Copacabana: 13 Km ou 15 minutos.

Preço: Normalmente gratuito dependendo da mostra exposta.

Esperamos que tenham gostado das dicas. Divirtam-se!

Sobre Nosso Colaborador:

Marx Santos, psicólogo de formação, possui MBA em MKT pela FGV, casado, pai e avô coruja, flamenguista diz que é torcedor saudável e não fanático, ah tá. Atua na área de vendas há mais de 15 anos. Um amigo especial e muito versátil, que além de ser motociclista nas vagas e um apaixonado pela história e as riquezas do Rio de Janeiro.

Apaixonado por artes e fotografia, estudou história do RJ pelo Instituto IPHAB. Aqui no Bazar  nos ajudará  a desvendar os segredos do Rio de Janeiro.

 

 

 

Deixe seu comentário: